Menu
Modelos
Menu
Porsche - Informações sobre os óleos de motor

Informações sobre os óleos de motor

O óleo de motor é utilizado para lubrificar o motor. Correcto. Mas não só. Os óleos de elevado desempenho exercem várias funções para garantir a fiabilidade e a eficiência do motor. Por esse motivo, devem ser utilizados apenas óleos de motor perfeitamente ajustados ao seu Porsche. Para que as suas características positivas se mantenham durante mais tempo, é necessária uma mudança regular do óleo. Poderá consultar as especificações no manual do seu veículo – ou no seu Centro Oficial Porsche.

Funções dos óleos de motor

Primeira função:

Aplicar uma película lubrificante resistente entre as peças móveis do motor. Os cilindros e os pistões, em particular, devem estar sempre lubrificados para evitar a chamada "gripagem". Por outro lado, a lubrificação protege contra o desgaste, prolongando assim a longevidade do motor. Além disso, a redução da fricção garante um menor consumo de combustível.

Segunda função:

Manter o motor limpo. As peças móveis e quentes do motor, em particular, são protegidas por aditivos especiais contra as impurezas provocadas pelo processo de combustão (ou também por biocombustíveis, por exemplo, biodiesel). Os aditivos aglomeram as impurezas no óleo, evitando assim a formação de depósitos prejudiciais para o motor.

Terceira função:

Neutralizar os ácidos que se formam no óleo a partir dos gases de combustão e do combustível não queimado. Dessa forma, é evitada a corrosão, sobretudo dos rolamentos.

Quarta função:

Dissipar o calor. O óleo refrigera vários componentes do motor aos quais o líquido de refrigeração não chega.

Tipos de óleos de motor

A diferença: no pormenor.
E na performance.

É possível distinguir, basicamente, entre três diferentes tipos de óleos de motor com propriedades diferentes:

Os óleos minerais são o tipo de óleo base conhecido e utilizado há mais tempo. O seu fabrico érelativamente simples e económico, através da destilação e refinação de petróleo.

Os óleos de motor semi-sintéticos são obtidos através de um processo complexo e apresentam, por isso, uma melhor qualidade, especialmente no que se refere à durabilidade e às características de temperatura.

Os óleos sintéticos são obtidos por síntese química e podem ser enriquecidos de forma selectiva com características que reforçam a sua qualidade. Graças ao seu desempenho excepcional, estes óleos são especialmente adequados para motores de elevada performance. Por exemplo, num Porsche.

Óleos monograduados e multigraduados

Óleo monograduado ou multigraduado?
Os óleos lubrificantes e as suas características.

Os óleos monograduados dominaram o mercado até aos anos 70. Cada óleo comercializado possuía um nível de viscosidade fixo e era identificado através do mesmo.

Actualmente, a maior parte dos motores utiliza óleos multigraduados. Estes são produzidos através de óleos base de baixa viscosidade, misturados com aditivos especiais (por exemplo, polímeros como poliéster ou poli-isobutileno) para garantir que o seu nível de viscosidade baixa apenas muito ligeiramente a temperaturas elevadas.

Vantagens dos óleos multigraduados.

Graças à alteração muito ligeira do seu nível de viscosidade, os óleos multigraduados são mais adequados para cobrir uma gama de temperatura alargada do que os chamados óleos monograduados. Isso significa que optimizam a protecção do motor tanto em climas quentes como frios. Dessa forma, é obtida uma elevada capacidade de lubrificação do óleo frio no arranque, uma menor sobrecarga do motor de arranque a baixas temperaturas e uma garantia de lubrificação do exterior e do motor a temperaturas elevadas.

Classes SAE

O que revelam os números sobre a área de aplicação de um óleo?

Os óleos multigraduados são identificados com dois valores relativamente à classe SAE (SAE: Society of Automotive Engineers), por exemplo, 0W–40. Estes indicam em que gama de frio e de calor o óleo do motor pode ser utilizado de forma optimizada. Assim, o número antes da letra W (Inverno) indica o grau de viscosidade (fluidez) do óleo a temperaturas frias – quanto mais baixo o número, melhor a fluidez do óleo. Neste contexto, 0 significa que se trata de um óleo especialmente fluido e apropriado para utilização a baixas temperaturas.

A segunda parte da indicação de viscosidade (o número depois do W) informa-nos sobre a viscosidade do óleo a temperaturas elevadas – quanto maior o número, mais espessa é a película de óleo. Assim, a identificação 10 refere-se a um óleo muito fluido, especialmente concebido para climas frios. Para climas extremamente quentes, pode mesmo ser utilizado o valor 60. Trata-se de um óleo extremamente denso em estado normal. O valor 40 corresponde a uma viscosidade média, que garante uma utilização optimizada mesmo a temperaturas elevadas.